Piso drenante

Imagine todas as vantagens possíveis se o seu imóvel possuísse um piso que absorvesse a água da chuva, evitando o seu acúmulo. Mais do que isso: o líquido poderia ser drenado e armazenado para a reutilização, aumentando o seu potencial sustentável. Seria ótimo, não é mesmo? Pois saiba que esse material já existe: é o piso drenante!

Pisos drenantes são produzidos por meio da mistura entre fragmentos de pedras, areia, cimento, fibras naturais, porcelana reciclada e aditivos plastificantes. Existem dois tipos principais do pavimento: o comum e o resinado.

Tipos de piso drenante

O chamado drenante comum é aplicado no solo por meio de quadrados, como os de cerâmica, só que com espessura maior e produzidos com todos os materiais citados. Essas placas são instaladas sem qualquer tipo de agente colante, como o cimento.

A particularidade as torna intertravadas – ou seja, colocadas juntas, elas prendem umas às outras no chão, sem a necessidade de serem fixadas por outro material. Além de deixar pequeno espaço entre uma placa e outra, aumentando sua capacidade de aborção, a característica facilita a manutenção do produto. Isso uma vez que, após certo tempo, as placas podem ser danificadas. Em vez de realizar a troca de todo o pavimento, contudo, será possível destacar um único quadro e substituí-lo por uma peça nova.

É importante destacar, de qualquer forma, que o piso drenante tem capacidade de absorção da água muito maior do que os bloquetes intertravados. Afinal de contas, o escoamento do líquido nos bloquetes é feito apenas por meio dos vãos entre cada peça.

O material drenante, por outro lado, consegue absorver água em toda a sua superfície, e não apenas nos espaços entre uma placa e outra. Logo, o produto é 100% permeável e considerado um dos mais ecológicos do mercado. Ademais, ele consegue evitar enchentes, já que o acúmulo de água não ocorre.

Outro tipo comum do piso é o à base de resina, conhecido como fulget. O pavimento fulget é um tipo de granilite, produzido por meio da aplicação de uma massa rica em fragmento de pedras. Essa massa é aplicada ainda “líquida” no solo, e ali se acomoda e cria uma superfície mais uniforme.

Por que usar esse tipo de piso?

Os motivos para o uso do pavimento drenante são diversos, especialmente considerando suas diversas vantagens. Iremos citá-las logo mais – continue acompanhando o texto. De qualquer forma, são dois os pontos principais na hora de considerar a escolha do produto: a necessidade de absorver a água da chuva, e o desejo de encaminhá-la ao lençol freático.

Considere uma superfície lisa, sem qualquer tipo de capacidade de absorção. Esse tipo de pavimento requer o uso de recursos como ralos, para que a água seja retirada da superfície. Caso isso não seja feito, o acúmulo de líquido pode gerar enchentes, trazendo prejuízos tanto para a cidade, quanto o imóvel do indivíduo. É por isso, aliás, que muitas vezes as enchentes acontecem: porque não há como a água da chuva escoar, já que grande parte da cobertura do solo é feita de cimento.

Assim, utilizar um material que escoe por si só a água é uma alternativa mais do que interessante. Com ele, torna-se desnecessária, inclusive, a instalação de bocas de lobo ou dutos subterrâneos para captação dos líquidos.

Garanta o bem-estar da natureza!

Além disso, quando absorve o líquido, o piso leva-o ao lençol freático – algo fundamental à natureza. O lençol freático é uma reserva de água doce que fica localizada sob o solo. É dessa reserva que as plantas retiram a água para sua sobrevivência, absorvendo-a por meio de suas raízes.

Como o líquido é potável – a menos em casos em que há contaminação do solo – seu consumo também pode ser feito pela abertura de poços, o que melhora a qualidade de vida dos indivíduos. Dessa forma, a drenagem da água pelo solo, permitida pelo pavimento drenante, é fundamental à vida.

Se o consumidor preferir, pode ainda instalar captores artificiais no solo. As estruturas poderão armazenar o líquido absorvido pelo piso drenante e permitir que ele seja reutilizado. Com a água armazenada é possível, por exemplo, dar descarga no banheiro ou realizar a limpeza da garagem. Mais do que ecologicamente correta, a prática diminui os valores mensais pagos à companhia de saneamento de água.

Em todo o caso, é pouco interessante que o piso drenante seja instalado em locais que possuam o acúmulo de líquidos potencialmente contaminados, como o óleo de veículos ou a gasolina. Isso porque, o piso consegue absorver qualquer líquido. Assim, a presença de produtos químicos pode provocar a contaminação do solo e do lençol freático.

Indicações de uso

Pisos intertravados, como o piso drenante, surgiram na Holanda, por volta de 1940. O objetivo era criar um material que tivesse poder de aborção de parte dos líquidos acumulados sobre o solo, especialmente considerando que o País fica abaixo do nível do mar. A ideia deu certo, e logo se popularizou pela Europa e o restante do mundo.

Para garantir certa beleza, esse tipo de pavimento está disponível em diferentes cores. É possível encontrar, por exemplo, peças em vermelho, amarelo, verde e várias outras, além do clássico cinza. Para pavimentos feitos no estilo fulget, a escolha por fragmentos de pedras coloridas também pode dar um up no visual do espaço, assim como a possibilidade de uso de corantes especiais para a massa.

Esse tipo de cobertura é indicado para ambientes externos, especialmente porque em locais internos não costuma haver o que absorver. Contudo, se o objetivo for obter um piso interno com o visual do drenante, é possível contar com opções como o granilite comum, que tem aspecto de mosaico e brilhante.

Deste modo, o pavimento drenante é um dos mais interessantes para locais como calçadas, estacionamentos, jardins, parques públicos e outras áreas externas.

Instalação do piso drenante

Como já citado, a instalação do piso drenante varia de acordo com o seu tipo. Para o pavimento comum, o responsável pela obra precisa apenas posicionar no solo, lado a lado, as placas do material. O trabalho é bem simples e rápido, mas requer aprumo, para que as peças sejam bem intertravadas.

Já a instalação da cobertura resinada requer algumas etapas extras. Primeiro, a superfície coberta precisa ser limpa e bem nivelada, além de ganhar uma cobertura mais áspera, para que o fulget seja bem aderido. Em seguida, a massa deve ser espalhada sobre o espaço e aguardar alguns dias para a secagem.

Na finalização do processo, é necessário lavar a superfície, retirando dela o excesso de argamassa utilizada. Isso irá expor parte dos fragmentos de pedra utilizados na composição do produto, tornando o resultado áspero.

Independentemente do tipo de drenante escolhido, é fundamental contar com um profissional na execução do projeto. Apenas um especialista em pisos pode garantir a realização de um pavimeno bem-feito e que siga as normas de segurança estabelecidas pela ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas). Conhecedor do material, ele também poderá indicar as vantagens para aquele espaço, ou então sugerir material mais interessante ao local.

Vantagens do pavimento

São diversas as vantagens de uso de um piso drenante. A começar pela já citada absorção de água da chuva, que alimenta os lençóis freáticos e impede enchentes. O ideal seria que as cidades investissem em coberturas apenas de materiais drenantes, pois assim as chances de problemas em tempestades seriam bem menores.

Também é importante destacar a durabilidade do material. É comum que esse tipo de pavimento dure até 40 anos, uma vez que os fragmentos de pedras utilizados em sua produção são materiais bastante resistentes. No caso do piso drenante comum, contudo, esse tempo pode ser um pouco menor, já que as placas do produto tem maior quantidade de concreto. O material é mais suscetível à influência do tempo.

Em ambos os tipos do pavimento, porém, é possível contar com incrível poder de decoração. O espaço em que o drenante é aplicado ganha muito visualmente, transmitindo a sensação de bem-estar e cuidado. O aspecto de mosaico de pedras ainda combina com qualquer outro aspecto, especialmente se o espaço externo possuir jardim.

Aliás, os benefícios para os jardins são igualmente destacáveis. Um piso drenante consegue criar certa reserva de água ao redor das plantas do imóvel, e assim permite que elas permaneçam verdes e bem regadas.

Ao mesmo tempo, o produto produz menos barulho do que o cascalho, por exemplo, quando é utilizado por veículos. Ou seja, ele também possui certa capacidade de absorção sonora. A superfície consegue facilmente suportar veículos leves, mas não é indicada para autos como caminhões ou tratores. Ademais, ele não absorve muito calor, e consegue diminuir a temperatura do espaço em até 7 °C, se comparado com asfalto comum.

Segurança e cuidado com a natureza

Por ter sensação tátil áspera, esse pavimento é ainda antiderrapante, algo que o faz ainda mais interessante para espaços externos. Quando um piso acumula água e é muito liso, ele favorece a ocorrência de quedas – especialmente de idosos e crianças, que tem equilíbrio pouco mais fraco. O drenante, contudo, não é liso, nem deixa líquidos acumularem. Logo, é perfeito para a prevenção de acidentes.

Por fim, é necessário destacar, novamente, a incrível capacidade sustentável do material. Caracterizado assim por levar o líquido ao solo, o pavimento ganha esse título também porque a sua produção tem baixíssimo impacto ao ambiente. Afinal, grande parte dele é feito de pedras naturais, que não poluem.

Lembre-se, de qualquer forma, de sempre buscar o auxílio de um especialista em pisos para a execução do seu pavimento.

Leave A Reply

Your email address will not be published.