Piso para área externa, rústico e varanda

Na hora de investir em um piso para área externa, incluindo a varanda, é interessante avaliar alguns quesitos. A começar pela incidência do sol sobre o pavimento. Alguns materiais são sensíveis aos raios solares, e aquecem muito durante o dia. Isso pode provocar o aumento da temperatura na parte externa da casa, e tornar o ambiente desconfortável durante o dia.

Logo, se o objetivo for aproveitar o espaço de fora de casa pra o lazer, com uma rede para descanso ou poltrona para leitura, por exemplo, será mais proveitoso adquirir piso que não absorva tanto calor.

Ao mesmo tempo, é necessário considerar a quantidade de pessoas que transita pelo espaço. Quando o local tem tráfego intenso, ele necessita de uma resistência ainda maior do que o considerado ótimo. Para um trânsito muito grande, a cerâmica, por exemplo, pode não ser resistente o suficiente, sendo mais indicado investir em um espaço de pedra.

Avalie a umidade, durabilidade e custos

Além disso, lembre-se de avaliar a incidência da água da chuva sobre o local. Isso vai definir características básicas necessárias, como a resistência da superfície e a necessidade ou não de sistemas de escoamento de água. Alguns produtos precisam do auxílio de ralo, enquanto outros não.

De modo geral, é sempre interessante instalar na área externa um piso rústico. Isso porque, peças não polidas evitam escorregões. Assim, evitam-se acidentes, especialmente com idosos e crianças.

É comum ainda que os pisos rústicos acumulem menos água sobre sua superfície. Dessa forma, eles tem durabilidade maior, uma vez que o líquido pode manchar ou infiltrar o pavimento polido.

A durabilidade das peças, aliás, é um ponto que precisa ser analisado com cuidado. Por vezes, um piso é mais barato e tem durabilidade média. Sua frequência de manutenção, no entanto, é intensa, e o pavimento acaba por ter que ser trocado em alguns anos.

Já um piso mais caro pode ter menor necessidade de manutenção, e tempo muito maior antes da necessária troca. Nessas situações, pode ser mais vantajoso investir um pouco mais na primeira obra, do que arcar com os custos de manutenção e troca em um curto intervalo de tempo.

Tipos de pisos para área externa

Porcelanato

Nos últimos anos, o porcelanato se tornou um dos pisos preferidos para o interior dos imóveis. Isso porque, o material é muito bonito, com diferentes cores e “desenhos”. Algumas das peças, inclusive, “imitam” outros tipos de superfície, como a madeira e as pedras.

Outro ponto interessante do porcelanato interno é o seu polimento. Sempre brilhante e liso, ele é fácil de limpar. Ademais, as peças são grandes quadrados, o que requer menor quantidade de material para cobrir uma grande área.

Para a área externa, contudo, é importante que o porcelanato seja natural, ou seja, não polido, rústico. Afinal, é necessário que o produto não escorregue, o que a superfície polida faria. Ainda assim, as peças são grandes quadrados, que cobrem uma área mais extensa com menos material.

Ao serem assentados, os porcelanatos não contraem, nem distendem com a variação de temperatura. Isso melhora muito sua durabilidade, já que a luz do sol não afetará realmente a superfície.

Pisos cerâmicos

Entre as principais vantagens da cerâmica está o seu preço baixo. Além disso, o material, assim como o porcelanato, está disponível no mercado em diferentes cores e padrões, e pode ser facilmente combinado com o ambiente.

Também é interessante o fato de que os pisos cerâmicos são fáceis de limpar. Eles não acumulam muitas sujidades, e podem ser cuidados com água e sabão neutro. De qualquer forma, é novamente importante que as peças tenham textura áspera. A característica diminuirá drasticamente as chances de escorregões e quedas.

No momento de escolha pela cerâmica, também é importante avaliar a PEI (medida de resistência à abrasão) do material. Para espaços externos, é indicado que a PEI do produto seja de 4 ou 5, o que indicará sua grande resistência a intempéries.

Em todo o caso, é mais vantajoso optar pela compra de grandes peças de cerâmica. Isso diminui os espaços de rejunte existentes, e melhora o aspecto visual do ambiente. Os rejuntes são ainda os que mais acumulam sujeira, e uma superfície com poucas divisões tende a se manter mais limpa.

Revestimentos de pedra

A opção por revestimentos de pedra é uma das mais sofisticadas para o pavimento de uma área externa. Afinal de contas, as peças podem ser assentadas de diferentes modos no solo, o que resulta em texturas diversas e atraentes.

Algumas das pedras mais utilizadas neste tipo de instalação são a Miracema, São Tomé, Portuguesa e Ouro Preto. Além de bonitas, elas são mais ásperas, e por isso evitam acidentes.

De qualquer forma, é importante avaliar a presença de crianças, idosos ou animais de estimação em casa. Com movimentos mais intensos e quedas, as pedras geralmente provocam arranhões e outros machucados. Nessas situações, pode ser indicado contar com um piso mais nivelado – o que o pavimento de pedra não é inteiramente, uma vez que há “estrias” na superfície e pequenos espaços nos encontros entre as peças.

Deck de madeira

Apesar do que muitos acreditam, um deck de madeira pode sim ser instalado do lado de fora de casa. Assim como qualquer outra estrutura de madeira. É necessário apenas escolher o tipo certo do material, e manter sua manutenção adequada.

Pisos cimentícios

Existe ainda a possibilidade de uso dos chamados pisos cimentícios. Eles podem ser instalados por meio da massa líquida do produto, ou mesmo por placas de cimento que, pré-prontas, facilitam a execução do projeto.

Dentre as vantagens deste tipo de pavimento, a principal é a resistência do material. Feito de água, cimento, areia e agregados, a opção tem incrível resistência contra impactos e a variação de temperatura. Sua durabilidade é igualmente grande, e por isso o produto é indicado inclusive para locais de grande tráfego.

Fulget

No chamado piso fulget, uma série de pequenos pedaços de pedras são misturados ao cimento, e então aplicados no solo. O resultado é uma superfície formada apor uma série de fragmentos, que podem ou não serem de pedras de diferentes cores e tipos. É comum que os construtores utilizem, por exemplo, mármore, quartzo, granito e outras.

Um problema em adotar a opção é que a superfície aplicada se torna bastante áspera. Apesar de ter ótima característica antiderrapante, neste caso o contato com o solo pode ser incômodo. Dessa forma, o fulget não é indicado para espaços em que geralmente as pessoas andarão descalças, como a beirada de piscinas.

Pisos drenantes

Se o espaço da área externa não possui nenhum tipo de cobertura, a melhor opção de revestimento para o piso pode ser o piso drenante. Material ecológico, o produto permite e passagem da água ao solo facilmente. Com isso, o acúmulo de líquido é drenado, e evita escorregões ou a formação de lodo sobre o piso.

Os materiais de que são feitos os pisos drenantes são variados. Há, por exemplo, os produzidos por meio de pneus reciclados. O fulget, citado anteriormente, também é considerado drenante.

Granito

Geralmente, os granitos são utilizados em sua versão polida. Contudo, ele pode aparecer em seu modo natural, e assim ser aplicado na área externa do imóvel. O granito é uma pedra natural, formada pelos minerais mica, quartzo e feldspato. Uma de suas características mais marcantes é a presença de pontos pretos em sua superfície, além de sua grande dureza à abrasão.

Como escolher o melhor pavimento?

O momento da escolha do tipo de piso que será aplicado em seu imóvel é de grande importância. Além de todas as informações citadas no início deste texto, é importante que o material combine com o restante da decoração de casa. É interessante escolher uma cor de piso que seja semelhante ao pavimento interno, e que possa ser bem harmonizado com as paredes de fora e o restante do espaço. A textura do material também precisa ser considerada, para que o seu aspecto não destoe dos demais.

Ademais, é fundamental contar com especialistas no assunto. Um conhecedor dos pavimentos pode avaliar bem seus objetivos e o espaço de aplicação, e assim indicar o produto mais vantajoso ao local. Muitas vezes, é interessante fazer a instalação dos materiais durante a construção, mas nada impede que a execução seja realizada depois ou em uma reforma.

De qualquer modo, é essencial contar com um bom projeto de obra, para que a instalação do pavimento seja realizada da melhor forma possível. E, especialmente, sem a necessidade de manutenção muito rápida.

Leave A Reply

Your email address will not be published.